Associação Junguiana do Brasil

Cadernos Junguianos – n° 4 – 2008

Sumário

Editorial 
 5

Artigos

A Vivência do Tempo na Terapia

Glauco Ulson 
 7

O Sonho em Pacientes Somáticos

Walter Boechat 
 19

Reflexões sobre Flexibilidade e Rigidez: o ponto de vista
da medicina psicossomática e da medicina arquetípica
sobre a inflamação das articulações

Nara Rodrigues Santonieri 
 32

Multiplicidade de Lágrimas: o choro e suas diferentes nuances

Letícia Capriotti 
 43

Considerações sobre o Arquétipo do Humor e do Riso

Victor Palomo 
 56

O Pequeno Príncipe, o Arquétipo do Puer
e a Linguagem Analítica

Lunalva Fiuza Chagas 
 65

A Era JK Revisitada: uma perspectiva simbólica

Helena Saldanha de Azevedo Santos 
 82

Saci-Pererê: um estudo sobre o arquétipo do trickster

Acací de Alcantara 
 90

O Resgate de Sofia no Mundo Pós-Moderno

Claudia Morelli Gadotti 
 109

Entrevista

Robert Bosnak – A Experiência de Sonhar 
 115

Resenhas

Juno

Edna G. Levi 
 125

O Verdadeiro Partirá ... O Outro é o Sonho

Paulo C. de Souza 
 129

O Mistério da Coniunctio – Imagens Alquímicas
da Individuação

Luciano Colella 
 131

Visitando o Sr. Campbell

Acací de Alcantara e Rubens Bragarnich 
 133

Evento

Homenageando James Hillman

Silvia Graubart e Gustavo Barcellos 
 135

Adolf Guggenbühl-Craig (1923-2008) 
 137

Orientações aos autores para publicação 
 138

 

A Vivência do Tempo na Terapia

Sinopse: Num percurso que vai da mitologia, passa pela filosofia, ciência e religião, o autor aponta as conseqüências da derrocada da visão de mundo racionalista: a possibilidade de percepção do espaço, do movimento e do tempo anímico, a aceitação do imaginário e do subjetivo, a realidade do inconsciente. Propõe que o tempo é o próprio eixo da alma e mostra, por meio de inúmeros casos clínicos, como ele determina nossas próprias vivências e os processos do mundo anímico.

O sonho em pacientes somáticos

Sinopse: O artigo sugere delimitações teóricas nos pensamentos de C. G. Jung e de
Michael Fordham para a compreensão da totalidade corpo–mente e dos fenômenos de somatização. Com esses fundamentos, estuda-se o caso clínico de uma paciente com a Síndrome de Sjögren primária, doença auto-imune que atinge as glândulas exócrinas do corpo. Procuram-se ainda fazer correlações entre o símbolo onírico e o
corpo adoecido como tendo conotação simbólica. Para tal, o autor faz uma reflexão em Jung: a questão do complexo psicofísico, o instinto psiquificado e o arquétipo
psicóide. Em Fordham: o modelo do Si-mesmo primal, a deintegração, reintegração e desintegração. (A somatização vista como uma desintegração.) Partindo desses pressupostos teóricos, estudam-se o campo transferencial, sonhos e evolução do caso clínico, tomando-se em consideração o psicossoma da paciente em sua totalidade.

Reflexões sobre Flexibilidade e Rigidez: o ponto de vista da medicina psicossomática e da medicina arquetípica sobre a inflamação das articulações

Sinopse: O objetivo deste trabalho é refletir sobre flexibilidade e rigidez, comparando o ponto de vista da medicina psicossomática, por meio da obra de Mello Filho, e o ponto
de vista da medicina arquetípica proposta por Alfred Ziegler. A inflamação crônica das membranas articulares, a artrite reumatóide, pode levar uma articulação da flexibilidade à rigidez. Verificamos que nos pontos de vista abordados podemos
encontrar a causa e o propósito do sintoma, o que faz com que as duas perspectivas se complementem. O trabalho faz menção, outrossim, à original perspectiva de
James Hillman, em que ele associa a flexibilidade ao puer e a rigidez ao senex, e nos dá sua proposta de solução para o problema.

Multiplicidade de Lágrimas: o choro e suas diferentes nuances

Sinopse: Tratando de um assunto que é tão pouco estudado como o choro, esse artigo se dedica a explicitar as diferentes singularidades dos choros: suas diversas causas, funções psicológicas e formas de manifestação. Chamando a atenção para o fato de que dificilmente o choro é respeitado e verdadeiramente ouvido, aqui se fala
da possibilidade de refinamento, aprimoramento, “educação” do choro e convida a ouvir o choro com um ouvido mais apurado e atento às nuances e particularidades
de cada um. Depois de fazer algumas relações entre o choro e a alquimia, o tema é trazido para o campo específico da prática da psicoterapia, em que se aborda a questão dos diferentes choros do paciente e suas funções e também as reações do analista diante deles, bem como a questão do choro do próprio analista.

Considerações Sobre o Arquétipo do Humor e do Riso

Sinopse: Este artigo tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o humor e o riso através de períodos históricos, fundamentando suas raízes arquetípicas e tendo como desdobramento o interesse pelo tema presente na obra de Freud e Jung. O autor faz observações a respeito da importância do tema para a psicoterapia.

O PEQUENO PRÍNCIPE, O ARQUÉTIPO DO PUER E A LINGUAGEM ANALÍTICA

Sinopse: Trata-se de uma breve reflexão sobre o processo analítico, inspirada na obra de Antoine de Saint-Exupéry, O pequeno príncipe. Pensando na linguagem essencialmente metafórica do encontro analítico, busquei a relação com esse clássico de Exupéry, uma obra imagética capaz de tocar e espelhar a alma humana em todo o seu mistério e delicadeza de detalhes. Traçando um paralelo com o arquétipo do puer aeternus, o texto segue ressaltando a necessidade de acolher as imagens e solicitações da psique sem cair nos velhos padrões cristalizados no ego. O enfoque se dá no arquétipo em si e não em sua versão patologizada, tão explorada na literatura sobre o puer.

A ERA JK REVISITADA: Uma Perspectiva Simbólica

Sinopse: Este artigo trata de uma análise simbólica de alguns aspectos subjacentes à eleição e ao governo de Juscelino Kubitscheck de Oliveira: o cenário mundial do Pós guerra, o suicídio de Vargas, a história pessoal dele, sua personalidade aberta ao novo, sua criatividade e como ela se vinculava ao “homem cordial” de Sergio Buarque de Holanda. Enfoca também aspectos simbólicos relacionados à implantação da nova capital do Brasil: sua concepção, localização, projeto e a mobilização em torno de sua construção. Faz ainda uma correlação com o que estaria constelado na psique coletiva do povo brasileiro naquela ocasião e o mito do herói.

SACI-PERERÊ: um estudo sobre o arquétipo do trickster


Sinopse: O artigo aborda o arquétipo do trickster através do mito brasileiro do Saci-Pererê. A autora apoiou-se nos trabalhos realizados por Carl Gustav Jung para que o Saci fosse caracterizado como trickster na Psicologia Analítica e também estudou o pensamento de Câmara Cascudo e Renato Queiroz no âmbito da antropologia. Constata que a parte demoníaca e assustadora presente originalmente no mito foi abolida e o Saci se transformou em uma figura travessa, amigável, um garoto levado. Procurou responder a questão do que teria ocorrido com as características negativas do arquétipo que foram suprimidas da imagem do Saci. Sugere a hipótese de que o material desprezado ganha força no inconsciente e invade a consciência através da característica brasileira esperteza e astúcia, (“ser esperto”, “levar vantagem em tudo”). Desta forma teríamos uma nação sob a regência arquetípica do trickster. Aponta ainda para o paradoxo de que o trickster, em seus dois pólos, o de enganar e o de ser enganado, que conduz à identificação com o lado que engana e nos tornamos, ao contrário, uma sociedade de enganados. Dentro dessa dupla natureza, quem consegue dominá-lo pode obter riquezas, aqui interpretada como um ganho significativo de consciência. A possibilidade de libertação do domínio do arquétipo só pode dar-se através da conscientização, pois dentro do próprio mito se encontra a possibilidade de resolução do conflito; mas para que isso aconteça, ele precisa ser contado/considerado integralmente sem a supressão de traços essenciais.

O resgate de Sofia no mundo pós-moderno

Sinopse: A autora inicia o artigo com uma reflexão sobre a afirmação de Luigi Zoja de que o mundo materialista contemporâneo é um mundo antipsicológico. Para compreender essa relação, faz-se um aprofundamento nas influências do sistema capitalista na dinâmica psíquica. Finalmente, há uma amplificação da imagem
feminina de Sofia, como uma possibilidade de resgate do mundo imaginário e simbólico que se empobreceu nos dias atuais.

Instituto de Psicologia Analítica de Campinas
Instituto C.G. Jung Minas Gerais
Instituto Junguiano do Paraná
Instituto Junguiano do Rio Grande do Sul
Instituto Junguiano do Rio de Janeiro
Instituto Junguiano de São Paulo
Instituto Junguiano de Brasília
Instituto de Psicologia Analítica da Bahia

Associação Junguiana do Brasil - AJB - Todos os direitos reservados

Rua Cardoso de Almeida, 1005, casa 6
CEP 05013-001 – Perdizes – SP
www.ajb.org.brajb@ajb.org.br

by Elav